• isabelleapbd

10 mil seguidores em 4 meses: como comunicamos sexualidade com o lábios livres

Sexualidade feminina ainda é um grande tabu, mas ao mesmo tempo uma grande urgência. A prova? Nós conseguimos crescer uma comunidade engajada no assunto em 4 meses. Vem com a gente que te contamos tudo!


Lábios Livres é um projeto de conteúdo de última geração com uma missão crucial: ajudar mulheres a descobrirem sua sexualidade e viverem vidas mais felizes, mais sensuais. Nós começamos a página Lábios Livres no Instagram em novembro de 2020 (sim, fruto da pandemia), e de lá pra cá, nossa comunidade cresceu mais do que esperávamos: 10 mil mulheres em quatro meses.




Nós tratamos sexo e erotismo não como tabus, mas como grandes oportunidades para inspirar, educar e engajar a nossa audiência. Sexo e erotismo como instrumentos não de vergonha, mas de libertação. Liberdade essa para construir relacionamentos mais saudáveis com os outros e, principalmente, com nós mesmas.


Um pouquinho de contexto: como a ideia surgiu


Era outono de 2020 em Berlim quando eu e o Luca conversamos pela primeira vez sobre lançar um projeto de conteúdo digital para falar de sexualidade feminina. Nós estávamos em um dos meus cafés preferidos, perto da minha casa, e a ideia fazia todo o sentido. Morando em uma cidade onde a liberdade sexual é tratada com naturalidade e muitas vezes até louvada, nós saímos de lá empolgados com a possibilidade e motivados a começar.


Foi apenas quando eu cheguei em casa e comecei a pesquisar, que eu me dei conta que, no Brasil, não seria assim tão simples falar de sexualidade abertamente. Especialmente para mulheres. A minha vivência em Berlim como mulher não refletia a minha experiência em Fortaleza - em um Brasil machista e cheio de tabus, a vergonha e a falta de conhecimento também me acompanhavam.


Com isso, eu comecei a pensar de que maneira nós poderíamos abordar esse tópico tão importante e tão estigmatizado de uma forma que atraísse, informasse e empoderasse mulheres, em vez de causar constrangimento.


O que fizemos e o que aprendemos


Quando lançamos, estávamos confiantes de que o nosso conteúdo era bom, mas não tínhamos certeza sobre como seria recebido. Precisamente por conta disso, não esperávamos o boom de crescimento que tivemos nos últimos meses.


Provavelmente o aspecto mais importante do nosso projeto é que nós estamos constantemente observando e analisando o que a nossa audiência gosta e se identifica, para que consigamos aprimorar cada pedacinho de conteúdo que publicamos.


Eu não pretendo que esse texto seja um guia de marketing para Instagram, é mais um apanhado das coisas mais importantes que nós aprendemos com o Lábios Livres até agora - como marca e como profissionais da indústria criativa. Nós, comunicadores, sabemos que a troca constante com outros profissionais é super importante para entendermos melhor as plataformas digitais, crescer nossa marca e melhorar nossas estratégias de marketing. Então, espero que eu consiga passar um pouco da nossa experiência com o Lábios Livres e ajudar ou inspirar vocês de alguma forma.


1. Branding e Design: apenas tudo!


O Instagram é muito intenso para o olho humano - conteúdo demais, gente demais, tudo acontecendo ao mesmo tempo. Todas as contas no nosso feed, amigos ou marcas, estão competindo diretamente por cinco centavos da nossa atenção. Existem várias técnicas que você pode utilizar para chamar atenção na rede - memes, títulos sensacionalistas, animais fofinhos - mas ter uma marca bem definida com design forte e original é com certeza o que tem resultados mais consistentes a longo prazo.


Nós construímos nossa marca nos seguintes pilares: entretenimento, inspiração, educação e liberdade sexual para todas as mulheres. Além disso, a personalidade da nossa marca engloba valores como bom humor, respeito e curiosidade. Para refletir essas características dos Lábios Livres, nós focamos bastante em alguns aspectos: linguagem simples (para alcançar todas as mulheres), conteúdo relevante (informação educativa), conteúdo divertido (entretenimento), cores claras e vivas (para deixar o tópico mais leve) e design original (para que nosso público consiga imediatamente identificar quando o conteúdo é nosso).


É difícil se sobressair como uma marca no meio de um oceano de outras marcas e influenciadores. Para tentar garantir que a gente alcance ou engaje o maior número de pessoas possível com os nossos posts, nós dedicamos MUITO (mesmo) tempo criando um conteúdo que não só traga uma informação relevante ou divertida (em breve falarei mais sobre isso), mas também que seja branded. Para isso, nós tentamos ser o mais consistente possível com o nosso posicionamento e imagem.


Se você olhar o nosso perfil no Instagram, você vai notar que nós começamos a incluir posts com cores mais fortes, mas que mesmo assim eles mantêm o mesmo estilo e tom de voz. Nós também tentamos deixar os nossos posts um pouco mais enxutos, mais minimalistas, com o intuito de manter apenas os elementos essenciais do nosso design presentes. Isso é muito importante para não "superlotar" seu post e transformar a sua marca confusa (e, consequentemente, sua audiência) - e não é isso que a gente quer, né?


Para o Lábios Livres, o design é totalmente crucial e é tão importante quanto a nossa produção textual. Não só por questões de marca, mas principalmente por ser o principal aliado em conseguir comunicar um assunto que ainda é tabu, como a sexualidade. Nós notamos que a nossa paleta de cores e as nossas ilustrações mais delicadas tiram um pouco do peso do tópico para tantas mulheres, que se sentem mais à vontade para consumir o conteúdo.


2. Conteúdo é... RAINHA


Em tempos de saturação do mercado de influenciadores, superinformação e algoritmos que passam a esconder o número de curtidas de cada post, você precisa focar em oferecer um conteúdo que realmente seja relevante para aquela pessoa que você quer um pouco da atenção. Pode parecer óbvio, mas como comunicadores, nós temos que praticar o exercício básico de nos colocarmos no lugar do outro todos os dias. Ajuda muito sempre se perguntar o básico: Eu pararia para ler esse post? Eu salvaria pra depois? Eu aprenderia algo com ele? Esse post me divertiria e deixaria meu dia mais leve?


O primeiro passo para um bom conteúdo é um branding coerente e claro. Mas, depois que você tiver diretrizes de marca claras e uma direção que você quer seguir, como se certificar de que você está entregando o melhor tipo de conteúdo possível para a sua audiência? Isso vale para qualquer situação, mas especialmente para o nosso nicho, sexualidade feminina, não podemos pecar em qualidade de conteúdo e informação se quisermos criar credibilidade e manter reputação. Para isso, eu tenho sempre que fazer o dever de cada direitinho: muita pesquisa, checar a informação mais de uma vez e trazer diversidade nos assuntos. A sexualidade é fluida, e assim tem que ser o nosso feed.


Quando se trata de gerar engajamento (e claro, confiança), algumas das coisas que nós aprendemos é a importância de se manter atualizado e estar por dentro das principais tendências. Quando as pessoas começam a identificar sua marca, elas também começam a criar certas expectativas: elas esperam que você dê palco para debates e use sua voz para gerar conversas ou para se posicionar sobre os acontecimentos mais importantes no seu meio.


Pra gente, fazia todo o sentido falar sobre Bridgerton e os assuntos levantados sobre sexualidade na série. Ou falar sobre a Cardi B e a Megan Thee Stallion no topo da Billboard com uma música que fala explicitamente sobre o prazer sexual feminino. Tratar de assuntos ou situações que estão em voga não é só uma ótima inspiração para conteúdo novo, mas também uma ótima maneira de engajar com a sua comunidade. A lógica por trás é: se você fala sobre o que eu falo, se importa com o que eu me importo, então você é um pouco tipo eu, certo?


Quando nós identificamos os assuntos mais interessantes para engajarmos nossa audiência, nós começamos a trabalhar nos formatos que vamos utilizar. Muitas vezes, nós começamos criando um texto para o blog, que traz informações mais completas (como no texto "como saber se eu gozei"). Nós otimizamos o conteúdo para tráfego com técnicas de SEO, tentando responder o máximo possível de questões acerca de um determinado tópico. Com esse conteúdo, que geralmente é mais rico, nós fazemos uma curadoria, separamos o que vai para o Instagram e depois adaptamos o formato de maneira nativa para a plataforma - feed, stories, reels (que ainda não temos, mas que no momento estamos trabalhando para ter).


É possível reciclar o conteúdo até para coisas menos óbvias, transformando um dos tópicos do texto em uma live e convidando alguém com lugar de fala no tema para participar. Ah, e um detalhe super importante para manter em mente: quando você trouxer um assunto que gera conversação e engajamento (positivo, claro), continue com ele na agenda, pois muito provavelmente ainda tem muitos ângulos a serem explorados em formatos diferentes e inovadores para a sua audiência.



5. (Um pouco de) promoção não faz mal a ninguém


Agora eu vou abordar um aspecto mais técnico que foi muito importante para o nosso crescimento: anúncios e promoções. Com um orçamento bem baixo e apertado (eu e o Luca investimos do nosso dinheiro privado), nós promovemos alguns posts na nossa página e, frequentemente, recebemos perguntas de outras administradoras de páginas relacionadas à sexualidade perguntando como conseguimos.


Há duas verdades que eu quero tratar nesse tópico, e a primeira é que o Instagram/Facebook geralmente bloqueia qualquer conteúdo erótico ou sexual. Inclusive, eles já bloquearam a nossa conta de anúncios. Mas o que é válido mencionar aqui é que eles proíbem a venda de artigos ou produtos eróticos, e que esse não é necessariamente o nosso caso. Recorremos afirmando que a nossa página e blog promovia principalmente EDUCAÇÃO sexual, e eles aceitaram.


A segunda verdade é que, a longo prazo, muita promoção atrapalha e diminui bastante o alcance orgânico da sua página. Quanto mais dinheiro você coloca, mais a plataforma espera que você continue colocando e passa a só entregar seu conteúdo quando há monetização. Claro que ninguém quer ficar refém disso, né? Porém, é inegável que a promoção ou anúncio pode trazer um resultado incrível se feito estrategicamente e com cuidado.


Essas são algumas das coisas que aprendemos e que procuramos ter em mente antes de promover ou anunciar, evitando cair em ciladas:


  • O conteúdo PRECISA ser bom. Não adianta fazer promoção, aumentar o seu alcance e esse conteúdo não ecoar. Você só vai crescer com promoção se o conteúdo for bom e fizer sentido para a audiência que você está tentando construir.

  • Para páginas relacionadas à sexualidade, não promova NADA com palavras-chave claramente sexuais ou eróticas. Nós só promovemos posts inspiracionais, com assuntos como amor próprio, empoderamento feminino ou relacionamentos.

  • Não aumente tanto o valor da promoção de um post para o outro. Estabeleça um orçamento por mês e divida com os posts que você acredita que vão funcionar melhor. No nosso caso, promoções com duração de no máximo 5 dias funcionam melhor do que as que ficam por mais tempo. Nós sempre colocamos no máximo 5 dias, e promovemos de novo por mais 5 se acharmos necessário.

  • Se for usar anúncio, algumas dicas valiosas que aprendemos foram: faça anúncios substituindo o link do site pelo do seu próprio Instagram e retire a colocação automática - escolha onde você quer que esse anúncio seja veiculado. Nos Lábios Livres, por exemplo, só colocamos para serem veiculados no Instagram feed e stories.


6. Escute sua audiência, ela sabe o que fala


Na atual realidade digital, jornalistas e comunicadores não são mais gatekeepers, detentores de toda a informação, mas na verdade gatewatchers, curadores de informação. Então, tire da cabeça que você tem que escolher individualmente todos os tópicos que serão abordados no seu projeto de conteúdo.


Diariamente, a sua audiência te dá muitas pistas e feedback gratuito sobre o seu conteúdo. Cada engajamento é valioso para entender se você está no caminho certo e também perceber onde você pode (ou precisa) inovar.


Checar os dados frequentemente e responder à demanda tem sido um fator super decisivo para nós quando estamos brainstorming sobre o que vamos fazer depois. Além disso, é coerente com a nossa marca que a gente escute as mulheres na nossa audiência. Recentemente, publicamos um texto falando sobre quatro coisas que aprendemos com as 10k mulheres na nossa comunidade e como isso está moldando o nosso conteúdo.


No geral, comunicar sexualidade feminina representa um desafio. Eu tive que tomar umas doses de coragem antes de usar a minha própria imagem para divulgar o projeto publicamente. Tive receios, sim, mas recebi tantas mensagens (privadas) de apoio de mulheres diferentes, que me sinto cada vez mais motivada a aprender e desmistificar esse assunto.


Para mim, "co-fundar" o Lábios Livres e liderar a criação de conteúdo do projeto têm sido uma jornada de autodescobrimento e libertação de tabus dentro de mim mesma. Eu aprendo e me empodero um pouquinho mais todos os dias com as mulheres na nossa comunidade - e a isso, eu sou muito grata.